Saiba como funciona a negociação de energia no mercado elétrico brasileiro

No mercado elétrico brasileiro, a venda de energia pode ser realizada através das distribuidoras ou pelas comercializadoras.

Saiba como funciona a negociação de energia no mercado elétrico brasileiro

No mercado elétrico brasileiro, a venda de energia pode ser realizada através das distribuidoras ou pelas comercializadoras.

No mercado elétrico brasileiro, a venda de energia pode ser realizada através das distribuidoras ou pelas comercializadoras.

Desde o final do século XIX, quando a eletricidade começou a ser produzida no país, o mercado elétrico brasileiro passou por diversas transformações significativas. Com a chegada das primeiras concessionárias estrangeiras no início do século XX, foram construídas as primeiras barragens utilizando técnicas avançadas, mas, somente em 1934, foi promulgado o Código das Águas, um dos marcos institucionais do setor elétrico brasileiro, que regulamentou a propriedade e a utilização das águas. Posteriormente, em 1946, surgiu o Plano Nacional de Eletrificação, que propunha um papel central para a Eletrobrás em todas as fases do processo. 

Em 1978, foi aprovado o Plano Nacional de Energia Elétrica, que instituiu privatizações e introduziu conceitos como produtor independente, consumidor livre e acesso livre às redes de transmissão e distribuição. Com o objetivo de criar um ambiente propício para o desenvolvimento adequado do mercado de energia elétrico brasileiro, foi criada a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), responsável pela regulação do mercado do setor elétrico brasileiro. 

Segundo dados reunidos pela Absolar em 2023, a geração de eletricidade no Brasil é liderada pelas hidrelétricas, que representam aproximadamente 60% de toda a capacidade instalada em operação. As termelétricas ocupam o segundo lugar. O setor elétrico brasileiro ainda é composto pelos segmentos de geração, transmissão, distribuição e comercialização.

No quesito compra e venda, quando falamos sobre a negociação de energia no mercado elétrico brasileiro, deparamos com duas possibilidades: por meio das distribuidoras ou comercializadoras. Mas, afinal, qual é a diferença entre elas? Os consumidores de ambas estão sujeitos aos mesmos encargos e condições? 

Para esclarecer essas dúvidas, no conteúdo a seguir, explicaremos mais detalhadamente como é realizado o processo de negociação e venda de energia no mercado elétrico brasileiro pelas distribuidoras e comercializadoras.

Aproveite a leitura!

Comercializadoras e distribuidoras de energia elétrica: o que são e qual a diferença entre elas?

As distribuidoras são organizações públicas ou privadas, responsáveis pela infraestrutura física que leva a energia elétrica até os consumidores finais, incluindo redes de transmissão e distribuição, subestações e medidores. Elas são encarregadas de garantir o fornecimento confiável de eletricidade para residências, empresas e indústrias em uma determinada área geográfica.

Por outro lado, as comercializadoras de energia são empresas mediadoras entre os produtores e os consumidores, atuando na negociação e organizando a distribuição de eletricidade por meio de contratos equitativos. Além disso, também são responsáveis por auxiliar os consumidores de média e alta tensão a migrarem para o Mercado Livre de Energia. Ajudam também no desenvolvimento de estratégias de compra e venda, passando pelo monitoramento de oscilações de mercado, condições climáticas e aspectos regulatórios. 

Em outras palavras, as distribuidoras de energia são responsáveis pela infraestrutura de entrega física da eletricidade, enquanto as comercializadoras atuam no mercado de compra e venda de energia, negociando contratos e oferecendo serviços aos consumidores. Ambas desempenham papéis cruciais no fornecimento de eletricidade, garantindo que as necessidades energéticas da sociedade sejam atendidas de forma eficiente e confiável.

Compra e venda de energia elétrica: como funciona o mercado? 

No mercado elétrico brasileiro, o procedimento de negociação de energia pode ser realizado de duas formas: a primeira por meio das distribuidoras de energia, onde o cliente está sujeito às tributações e encargos do mercado cativo, e a segunda pelas comercializadoras de energia, onde o consumidor pode efetuar contratações de energia conforme as suas necessidades específicas, garantindo um processo de contratação mais flexível e eficiente, sem incorrer em prejuízos.

Em outras palavras, enquanto no mercado cativo o preço da energia elétrica é definido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), no Mercado Livre de Energia o valor pode ser negociado diretamente com as geradoras e comercializadoras de energia elétrica.

No mercado elétrico brasileiro, a venda de energia pode ser realizada através das distribuidoras ou pelas comercializadoras.
Enel Comercialização e Trading/2024

Mercado Livre de Energia: quem pode compor?

O consumo cativo de eletricidade é historicamente superior ao consumo livre. No entanto, essa modalidade de comercialização vem perdendo participação ao longo dos últimos anos devido à abertura do Mercado Livre e às vantagens que oferece em termos de flexibilidade e possibilidade de negociação de preços.

Desde a abertura do Mercado Livre de Energia, em janeiro de 2024, todos os consumidores pertencentes ao Grupo A, isso é, de média ou alta tensão, passaram a migrar para o novo ambiente de contratação. Em 2022, o consumo de energia elétrica do ACL correspondeu a 202.051 GWh.
Para saber a qual dos grupos de energia você pertence, assim como detalhes do Mercado Livre de Energia, clique aqui ou fale com um de nossos consultores.

Capacidade energética instalada no Brasil

Segundo o Anuário Estatístico de Energia Elétrica, até o final de 2023, o Brasil possuía 206,5 GW de capacidade energética instalada. Dessa capacidade, 53,2% correspondiam à hidrelétrica, 21,4% à termelétrica, 11,8% à solar, 11,5% à eólica e 1% à nuclear.

Os principais destaques em termos de capacidade de geração foram as unidades de geração hidrelétrica (incluindo pequenas centrais hidrelétricas e centrais geradoras hidrelétricas) e as usinas termelétricas. Contudo, em 2022, o maior destaque em relação ao crescimento foi observado nas instalações de geração de energia solar fotovoltaica, as quais registraram um aumento de mais de 80% em sua capacidade instalada, em comparação a 2021.

Com o crescimento das fontes de energia renováveis, as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em 2022 totalizaram 44,3 milhões de toneladas (Mt) de CO2, representando uma queda de 43% em relação a 2021.

Mercado elétrico brasileiro: desfrute do que há de melhor no Ambiente de Contratação Livre!

O mercado elétrico brasileiro vem crescendo cada vez mais, e com ele trazendo novos benefícios para os consumidores que escolheram desfrutar do que há de melhor no Ambiente Livre de Contratação. 

Para migrar para esse novo universo e assim negociar a sua energia com maior flexibilidade e economia, é necessário contar com a ajuda de uma empresa especializada no segmento, como a Enel Comercialização e Trading, considerada uma das maiores comercializadoras de energia do Brasil.
Com mais de 60 anos no mercado e uma equipe de profissionais dedicados, a Enel está pronta para tornar a migração da sua empresa para o Mercado Livre de Energia mais rentável, tranquila e segura. Para saber mais, entre em contato.

NÃO PERCA A OPORTUNIDADE DE SER LIVRE!

Conte com a experiência da Enel para descobrir todas as oportunidades e vantagens que o mercado de energia oferece.

Conteúdos para Mercado Livre de Energia

Vantagens em ter uma comercializadora de energia com geração própria
Expansão do uso de fontes de energia renováveis no Brasil
Consumidor de energia Grupo B: como identificar e entender este grupo tarifário